Crueldade. Casal é acusado de matar filho de 10 anos que disse gostar de meninos

Anthony foi cruelmente torturado e morto pelos pais

Para quem acha que nos Estados Unidos a lei é aplicada com rigor, se surpreenderá com esse absurdo. O casal Kareen Leiva e Heather Barron continua livre mesmo sendo acusado de torturar e matar o filho Anthony Avalos, 10 anos, por ele dizer que gostava de meninos.

A ocorrência foi registrada na semana passada em Los Angeles. A mãe da vítima chamou a polícia e disse que o filho tinha sofrido ferimentos por causa de uma queda. Mas, após exames constatou-se que além das lesões, o menor apresentava marcas de queimadura de cigarros pelo corpo.

Socorrido ao hospital, Anthony morreu no dia seguinte e a polícia investiga se a homofobia foi fator determinante em sua morte, já que dias antes, segundo Brandon Nichols, diretor do Departamento de Serviços para Crianças e Famílias da cidade, o menor tinha dito que gostava de meninos.

Brandon disse ainda à polícia, que o casal foi denunciado 16 vezes desde 2013 por abuso infantil, sendo 13 queixas em relação a Anthony que nunca foram punidos. Kareen e Heather têm seis filhos, mas Anthony era o que sempre sofria os abusos por causa de sua possível homossexualidade.

Foi apurado ainda pela polícia que em 2013 Anthony foi abusado sexualmente por seus avós. Apesar da gravidade do fato nenhuma providência foi tomada pelas autoridades e o menor continuou convivendo num ambiente de risco, onde era constantemente torturado pelos pais.

Anthony e os irmãos, segundo Brandon, não recebiam comida e água, eram sexualmente abusados, espancados, pendurados de cabeça para baixo em uma escada, forçados a ficarem agachados por horas trancados em um quartinho sem banheiro, lutar entre si e obrigados a comer do lixo.

“Essas crianças sofriam absurdamente nas mãos dos pais que continuam soltos apesar de tanta barbaridade e das inúmeras denúncias”, enfatizou Brandon Nichols, lembrando que se a justiça tivesse agido como se espera nesses casos, Anthony não teria sido morto dessa forma bárbara.



Comentários