Familiares de Cícero Novais reclamam do silêncio do Município sobre seu desaparecimento

Jaqueline, sobrinha de Cícero, cobra providências

Familiares de Cícero Novais Teixeira, desaparecido desde o dia 02 de abril ao ser deixado na Rodoviária de Jundiaí/SP por uma servidora do CREAS de Barra de São Francisco/ES e não do CRAS conforme divulgado, estão desesperados e cobram providências por parte do Município.

De acordo com os familiares de Cícero, eles foram contatados pelo pessoal da Assistência Social francisquense, que prometeram levar Cícero até aquela cidade paulista. Disseram, ainda, que no dia em que ele fosse levado, os familiares seriam comunicados para espera-lo na rodoviária.

Só que não agiram conforme prometido. Segundo Eronildes Rodrigues Novais, irmã de Cícero, seu irmão foi levado e os familiares não foram comunicados. Ao chegar a Jundiaí, a servidora que o acompanhou o deixou na Rodoviária à sua própria sorte, e ele acabou desaparecendo.

Abandonado à própria sorte

Cícero, que é bem conhecido dos francisquense, é morador de rua, alcoólatra que não tem
Cícero continua desaparecido
condições de gerir a própria vida. Ao ser deixado na Rodoviária em uma cidade desconhecida, se perdeu na procura pelos seus familiares, que só tiveram conhecimento de sua chegada dois meses depois.

Jaqueline Rodrigues da Silva, sobrinha de Cícero, não se conforma com o descaso por parte da Prefeitura Municipal, que até o momento não procurou os familiares e nem se manifestou no sentido de fazer alguma coisa para ajudar a família a encontrar o parente desaparecido.

“É muita irresponsabilidade dessa servidora. Será que ela não tem família? Será que não tem coração? Como pode deixar uma pessoa na situação do meu tio sozinho, em uma Rodoviária, em uma cidade que ele não conhece? Isso é crime”, desabafa Jaqueline, que teme pela vida dele.

Filho pede providências

André Teixeira, filho de Cícero, também cobra providências por parte do Município. “Eles
André teme pela vida do pai
trataram meu pai como um lixo só porque é pessoa pobre. Que tipo de assistência social presta essa cidade a seus cidadãos? Exigimos saber onde está nosso pai”, disse André.

Tanto ele como a sobrinha Jaqueline e a irmã Eronildes, cobram uma posição por parte do prefeito Alencar Marim. “Queremos saber o que está sendo feito para resolver o problema do desaparecimento de Cícero. Ele não é uma coisa. É um ser humano e merece respeito”, disse Jaqueline.

A única manifestação por parte do órgão que realizou a condução de Cícero e o abandonou na Rodoviária, foi de que vai processar o autor da reportagem. Em momento algum, ninguém disse o que está sendo feito para ajudar a família a encontrar o parente desaparecido.

Pode ter morrido

“Meu irmão não tinha a mínima condição de sobreviver sozinho aqui em Jundiaí. O que essa pessoa fez foi uma barbárie. Já recorremos à polícia, distribuímos panfletos, mas até o momento nenhuma notícia de seu paradeiro. Estamos temendo o pior”, salienta Eronildes.

“Você que o conhece sabe que ele é uma pessoa que não bate bem de suas faculdades mentais. O mínimo que ele poderia ter feito era ligar para nós. Eu estou sempre com meu celular. Não tem erro. Mas ela preferiu deixa-lo abandonado em uma cidade desconhecida”, acrescenta.

Os familiares de Cícero garantem que as buscas continuam e não vão desistir até encontra-lo. “No momento vamos focar na localização de meu irmão. Depois vamos estudar as medidas legais a serem tomadas contra o Município pela irresponsabilidade dessa servidora”, finaliza Eronildes.




Comentários

  1. Oi sou Patrícia filha do Cicero novais Teixeira entre em contato comigo 999874792 obrigada

    ResponderExcluir

Postar um comentário