SOS Assistência Social. Cícero retorna à cidade e volta a dormir pelas calçadas

Sem apoio do Município Cícero volta a se embriagar pelas calçadas

O cidadão Cícero Novais Teixeira está de volta a Barra de São Francisco/ES depois de ter ficado cinco meses desaparecido em virtude da falta de responsabilidade de uma servidora do CREAS, que o colocou sozinho em um ônibus com destino a Jundiaí/SP.

Durante os cinco meses em que ficou desaparecido, seus parentes (irmã, sobrinha e filhos) tomaram todo tipo de providências no sentido de localizá-lo sem obter êxito. Desde distribuição de panfletos pelas ruas de Jundiaí a pedido de ajuda à polícia, mas tudo em vão.

Segundo os familiares, Cícero foi despachado para Jundiaí no dia 02 de abril, tendo embarcado em Mantena/MG, mas ninguém da família foi comunicado de que ele estava sendo encaminhado para aquela cidade. A irmã de Cícero só tomou conhecimento dois meses depois.

Ao chegar à cidade  Cícero posou para uma self
com o cantor Elso Pereira, do Bonde Capixaba
Desesperada com o sumiço do irmão, Eronildes Novais Rodrigues manteve contato com a prefeitura francisquense pedindo ajuda para localizar o irmão, mas foi tratada com descaso. “Eles foram muito insensíveis. Trataram-me como se eu não existisse”, reclamou ela na época.

Vitória do Jornal Capixaba

O desespero da família em busca do irmão desaparecido só não passou de tudo despercebido, porque o Jornal Capixaba, sensibilizado com o sofrimento dos familiares, deu todo apoio e publicou uma série de notícias cobrando providências e pedindo ajuda em sua localização.

Foram mais de cinco meses de buscas e cobranças, até que finalmente, com a ajuda dos internautas que acompanham os posts do Jornal Capixaba, Cícero foi avistado por várias pessoas em São Vitor, Distrito de Governador Valadares/MG, que comunicaram a este site seu paradeiro.

Abandonado à própria sorte, Cícero aguarda socorro
 do Município por meio da Assistência Socialo
Mesmo depois da confirmação de que a pessoa indicada pelos internautas era mesmo Cícero, a luta dos familiares continuou, pois a administração francisquense não moveu uma palha sequer para busca-lo. E até o momento não se sabe como ele retornou à cidade.

O Jornal Capixaba tentou uma entrevista com Cícero para saber o que havia ocorrido e por que tinha se perdido pelo caminho, mas por se tratar de pessoa relativamente incapaz em decorrência do alcoolismo, ele não disse nada com nada e até afirmou que estava em São Paulo.

Família quer providências

Como ocorria antes de ser encaminhado aos seus familiares para tratamento de alcoolismo, Cícero voltou a dormir pelas ruas da cidade. No momento em que o repórter deste site tentou entrevista-lo, ele estava deitado na porta de um restaurante do cento da cidade.

Cícero precisa de ajuda
enquanto ainda está vivo
A situação de Cícero é caótica e necessita urgente de uma providência por parte da Secretaria de Assistência Social do Município, que até o momento nada fez no sentido de socorrê-lo. Enquanto isso, ele dorme ao relento sob um sol escaldante, capaz de fritar ovos no asfalto.

Várias pessoas comentavam e demonstravam revolta contra a servidora do CREAS, que apesar de colocar em risco a vida de um cidadão, sequer foi advertida pela administração. Segundo um popular, “essa administração é totalmente insensível e trabalha contra o povo”.

Feliz com o reaparecimento de seu irmão que ela temia já estar morto, Eronildes espera que dessa vez ele seja encaminhado aos seus familiares por alguém mais responsável. Espera, ainda, segundo ela, que o Município se explique e que a Câmara Municipal se manifeste a respeito.


Comentários