Homem que matou a mãe e cimentou o corpo em armário é condenado à prisão

Ricardo Jardim matou a própria mãe

Foi condenado a 28 anos de prisão em regime fechado na segunda-feira, 19, o publicitário Ricardo Jardim, 59 anos. Ele foi julgado por matar e concretar em um armário a própria mãe, Vilma Jardim, 74 anos, em maio de 2015, em Porto Alegre/RS. O julgamento durou cerca de 10 horas.

A sentença foi lida pela juíza Karen Luise Vilanova Batista de Souza Pinheiro por volta das 20h, no Fórum Central de Porto Alegre. Ele foi condenado pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e meio cruel, ocultação de cadáver e posse de arma em casa.

Quando foi preso no dia 29 de maio de 2015, Ricardo Jardim estava portando uma arma e um passaporte semanas depois do crime. Acreditando que Ricardo estava pretendendo fugir para o exterior, os policiais o prenderam e o conduziram à Delegacia de Polícia da capital.

Na época o publicitário chegou a confessar o crime à polícia, mas negou o crime perante o júri. O Ministério Público, segundo denúncia, acredita que questões econômicas, como um seguro de R$ 400 mil em nome da idosa, motivaram o crime bárbaro. Ricardo tem direito a recurso.




Comentários